Família Brittes e demais acusados de participação no Caso Daniel começam a ser ouvidos

A família Brittes e os demais acusados de participação no Caso Daniel começam a ser ouvidos nesta terça-feira (13), em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Será a primeira vez que os sete réus serão ouvidos em juízo. Os interrogatórios estão marcados para começar a partir das 9 horas, no Fórum de São José dos Pinhais.

Na audiência, a juíza Luciani Regina Martins de Paula irá ouvir Edison Luiz Brittes Junior, David Willian Vollero Silva, Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, Ygor King, Cristiana Rodrigues Brittes, Allana Emilly Brittes, e Evellyn Brisola Perusso.

A expectativa é de que os interrogatórios sigam até a próxima quinta-feira (15). O mais longo deve ser o de Edison, que é réu confesso do crime. Ele afirma que matou o jogador Daniel Corrêa Freitas após flagrar uma tentativa de estupro contra a esposa, Cristiana.

Denúncia

Os sete foram denunciados pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por participação no crime.

Respondem por homicídio qualificado, com motivo torpe, meio cruel, impossibilidade de defesa da vítima, ocultação de cadáver e fraude processual: Edison Brittes Junior, Eduardo Henrique da Silva, Ygor King, e David Willian Vollero Silva.

Cristiana Brittes também responde por homicídio qualificado, com motivo torpe, e coação no curso do processo.

A filha do casal Brittes, Allana, foi denunciada por coação de testemunhas, fraude processual e corrupção de menores.

Já a jovem Evellyn Perusso responde por fraude processual.

Em liberdade

Na semana passada, por decisão unânime, a 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), concedeu habeas corpus para Allana Brittes. Após nove meses presa, ela deixou a Penitenciária Feminina do Paraná, em Piraquara.

Evellyn Perusso é a outra ré que responde ao processo em liberdade. Ela é a única denunciada que não chegou a ser presa.

Caso

Daniel foi encontrado morto na manhã de 27 de outubro, na zona rural de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Ex meia de Coritiba e São Paulo, ele atualmente atuava no São Bento, time da série B do Campeonato Brasileiro. De acordo com a polícia, foi assassinado após participar da festa de aniversário de 18 anos de Allana em uma casa noturna de Curitiba. Depois da comemoração, alguns convidados seguiram para a casa da garota, incluindo Daniel, em São José dos Pinhais.

Na residência, o pai da menina, Edison, iniciou uma sessão de espancamento contra Daniel após ter visto o jogador em seu quarto, onde sua mulher Cristiana Brittes dormia. A defesa da família Brittes alega que Cristiana foi vítima de tentativa de estupro.

O corpo de Daniel foi encontrado na Colônia Mergulhão, com o órgão sexual mutilado.

CGN