Missal está em alerta contra a dengue

Com o progressivo aumento de casos de dengue em vários municípios da região e no estado do Paraná, inclusive com alguns decretos baixados por administrações referentes à situação, o município de Missal está em alerta, uma vez que o último Levantamento de Índices do Aedes aegypti (LIRAa) chegou a 3,9%. O percentual preconizado pelo Ministério da Saúde é de 1%.

Conforme alertou a equipe responsável pelo setor de endemias através do Coordenador Jair Donel “é importante neste momento termos uma maior colaboração ainda de nossa população. Estamos em período complicado pois, além de que muitas famílias ainda estão de férias, em torno de 18% dos domicílios nossos agentes encontram fechados, sem acesso, o que dificulta nosso trabalho.”

A coordenadora da Atenção Básica da Secretaria de Saúde, Enfermeira Fabiane, “todos devem ficar atentos a qualquer sintoma e procurar a Unidade de Saúde pois com a proliferação do mosquito em toda a região, os riscos de serem afetados pela dengue são grandes.” Fabiane ainda enfatizou que “a única prevenção conterá a dengue é fazermos a nossa parte eliminando os possíveis criadouros do mosquito Aedes Aegypti.”

Com relação à casos de dengue, a Secretária de Saúde de Missal Carla Laismann destacou que “temos notificações mas ainda nem um caso confirmado em 2020. Esperamos contar com a colaboração dos munícipes e podermos evitar que pessoas passem por essa situação.”

Em Missal, a exemplo de outros municípios, a legislação permite notificações e aplicação de multas.

 

SINTOMAS DA DENGUE

 DENGUE CLÁSSICA

A dengue clássica é a forma mais leve da doença, sendo muitas vezes confundida com a gripe. Tem início súbito e os sintomas podem durar de cinco a sete dias, apresentando sinais como: Febre alta (39° a 40°C), dor de cabeça, cansaço, dor muscular e nas articulações, indisposição, enjôos, vômitos Entre outros.

DENGUE HEMORRÁGICA

A dengue hemorrágica acontece quando a pessoa infectada com dengue sofre alterações na coagulação sanguínea. Se a doença não for tratada com rapidez, pode levar à morte.

No geral, a dengue hemorrágica é mais comum quando a pessoa está sendo infectada pela segunda ou terceira vez.

Os sintomas iniciais são parecidos com os da dengue clássica, e somente após o terceiro ou quarto dia surgem hemorragias causadas pelo sangramento de pequenos vasos da pele e outros órgãos.

Na dengue hemorrágica, ocorre uma queda na pressão arterial do paciente, podendo gerar tontura e quedas.

 

CAUSAS

A dengue não é transmitida de pessoa para pessoa. A transmissão se dá pelo mosquito que, após um período de 10 a 14 dias contados depois de picar alguém contaminado, pode transportar o vírus da dengue durante toda a sua vida.

SÍNDROME DO CHOQUE DA DENGUE

A síndrome de choque da dengue é a complicação mais séria da dengue, se caracterizando por uma grande queda ou ausência de pressão arterial, acompanhado de inquietação, palidez e perda de consciência.

Uma pessoa que sofreu choque por conta da dengue pode sofrer várias complicações neurológicas e cardiorrespiratórias, além de insuficiência hepática, hemorragia digestiva e derrame pleural. Além disso, a síndrome de choque da dengue não tratada pode levar a óbito.